RUBENS CHIRI/ SÃO PAULO
RUBENS CHIRI/ SÃO PAULO

Retrospecto favorável empurra São Paulo contra o Cruzeiro em Minas

Clube paulista tem quase o dobro de vitórias do adversário, que vem sofrendo para fazer gols neste Brasileirão

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

29 de julho de 2018 | 06h00

Apesar de encarar o Cruzeiro neste domingo sem três titulares, o São Paulo tem dois bons motivos para acreditar em um resultado favorável no jogo que começa às 16h (de Brasília), no Mineirão, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro: o excelente retrospecto diante dos mineiros e a dificuldade que o oponente vem encontrando para fazer gols no torneio.

+ Com Bruno Peres e zagueiro 'aspirante', Aguirre relaciona 22 no São Paulo

+ Rafinha apoia rodízio de Mano no Cruzeiro contra 'calendário apertado'

+ Confira a tabela do Campeonato Brasileiro

Ao todo, os rivais desta tarde já se enfrentaram 82 vezes, de acordo com as estatísticas oficiais do clube paulista. Foram 40 vitórias, 21 empates e 21 derrotas, ou seja, os são-paulinos acumulam quase o dobro de triunfos que os cruzeirenses. Também levam vantagem considerável no saldo de gols: fizeram 114 e sofreram 81.

E se engana quem pensa que o desempenho cai muito de rendimento quando são computados os confrontos apenas como visitante, como é o caso deste domingo. Ainda assim, o São Paulo sobra no duelo: em 44 jogos, venceu 21, empatou 11 e perdeu 12. Balançou as redes 68 vezes e levou 47 gols.

A maioria das oportunidades em que os paulistas visitaram os cruzeirenses em Belo Horizonte se deu no Mineirão, palco do confronto de logo mais. E, mesmo assim, os visitantes levam vantagem: dos 37 jogos disputados no estádio, ganharam 17, empataram nove e perderam 11. Fizeram 52 gols e sofreram 38.

Faro pouco aguçado. Gol, por sinal, tem sido um problema para a equipe de Mano Menzes, dona, no início desta rodada, do terceiro pior ataque do Brasileirão, ao lado do Atlético-PR, com 13 gols em 15 partidas. Apenas o lanterna Ceará (com um jogo a menos) e o antepenúltimo Paraná apresentam desempenho inferior, com oito gols a favor cada. 

Por sua vez, o time de Diego Aguirre ostenta o terceiro melhor, com 23 gols, atrás apenas de Atlético-MG (28) e Flamengo (24), times contra os quais briga pelas primeiras posições. 

Quem joga? Sem Militão, Arboleda e Hudson, todos suspensos, Aguirre terá de mexer no São Paulo e não descarta antecipar a estreia do lateral Bruno Peres na direita. Na zaga, Bruno Alves fica com a vaga. No meio, o mais provável é a presença do garoto Araruna, que também poderá ser utilizado na lateral caso o treinador uruguaio deixe Bruno Peres como opção no banco. Neste caso, o volante Luan, de apenas 19 anos, deve ganhar nova oportunidade.

“Treinei bem nos últimos dias e estou pronto se o Aguirre precisar. Independentemente da função, seja no meio de campo ou na lateral, quero ajudar o time da melhor maneira possível", comentou Araruna.

Do outro lado, Mano vive um dilema por conta da maratona de partidas. Além do Brasileirão, o Cruzeiro ainda se preocupa com a Copa do Brasil – visita o Santos na quarta-feira (1/8) – e a Libertadores – encara o Flamengo no dia 8. Em função disso, ele vem promovendo um rodízio no time desde a retomada após a Copa da Rússia. É possível que Thiago Neves seja poupado nesta tarde.

"Se eu não fizer isso, se a comissão técnica não fizer isso, nós vamos perder jogadores", lamentou-se o treinador cruzeirense.

FICHA TÉCNICA

Cruzeiro: Fábio; Edilson, Dedé, Léo e Egídio; Henrique e Ariel Cabral; Rafinha, Robinho e Arrascaeta; Barcos. Técnico: Mano Menezes.

São Paulo: Sidão; Bruno Peres (Luan), Anderson Martins, Bruno Alves e Reinaldo; Araruna, Liziero e Nenê; Rojas, Diego Souza e Everton. Técnico: Diego Aguirre.

Juiz: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ).

Local: Mineirão.

Hora: 16h.

TV: Globo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.