Divulgação/Corinthians
Divulgação/Corinthians

Parceria entre Corinthians e BMG fecha ano com metade dos correntistas previsto por Andrés

Banco criado para atender demanda das instituições deve terminar 2019 com menos de 100 mil contas abertas; presidente havia prometido surpresa ao bater meta de 200 mil

Guilherme Amaro e João Prata, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2019 | 10h00

O primeiro ano da união entre Corinthians e BMG rendeu menos de 100 mil correntistas ao banco digital criado pela parceria, abaixo da metade da meta estabelecida pelo presidente corintiano Andrés Sanchez quando costurou a parceria. Em janeiro, o mandatário do clube paulista havia prometido uma surpresa ao torcedor quando atingisse a marca de 200 mil contas abertas

O clube recebeu R$ 30 milhões do BMG no começo do ano, valor correspondente a duas temporadas de patrocínio e outros R$ 6 milhões em adiantamento referentes a eventuais lucros que a parceria poderá trazer. O contrato tem duração de cinco anos, com possibilidade de renovação por mais cinco. O Corinthians acredita que seu torcedor continuará abrindo contas no banco em 2020.

O vice-presidente de negócios do BMG, Márcio Alaor, fez uma análise animadora do primeiro ano da união e espera que os negócios engrenem a partir de 2020. Vale lembrar que o Corinthians ganhou apenas o Campeonato Paulista e foi mal no Brasileirão, principalmente no segundo semestre, quando ainda conseguiu vaga na pré-Libertadores. "O Corinthians tem ótimas ideias, o Andrés (Sanchez) esteve lá no banco, conversamos com ele e estamos entusiasmados em trazer 1 milhão de corintianos com conta no BMG", disse em entrevista ao Estado.

O plano faz parte do projeto de integração entre correntistas e sócios-torcedores do Corinthians. A intenção do clube é fazer com que um só cartão de crédito possibilite a movimentação financeira e também sua utilização como ingresso para entrar no estádio. "O projeto começa a andar daqui para frente. Temos certeza de que essa nova estratégia de abertura de conta vai ser um sucesso, assim como está sendo com o Vasco, que começou ontem e já está um sucesso", analisou o vice-presidente do BMG. Recentemente, a torcida do Vasco aderiu em massa a filiação ao sócio-torcedor do clube, saltando de 30 mil associados para 180 mil em semanas. O banco está de olho nesses correntistas. A conta dá direito a um cartão de crédito com o qual o torcedor pode ter benefícios em relação ao seu time.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Corinthians, Vasco e Atlético-MG têm dado bom retorno, as torcidas estão engajadas, querem ajudar o clube. O Vasco hoje tem 180 mil sócios-torcedores, passou o Flamengo. Agora fizemos um desafio que a cada conta que o torcedor vascaíno abrir conta, o clube vai ganhar um valor em dinheiro
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Márcio Alaor, vice-presidente de negócios do BMG

O Meu Corinthians BMG funciona como qualquer banco digital no Brasil. O cliente tem a conta corrente para movimentar, com opção de ter cartões de débito e de crédito. Não há anuidade. A diferença para os demais bancos é que nos próximos meses o cartão oferecerá descontos nos ingressos para os jogos marcados para a arena Corinthians em Itaquera e também nas lojas oficiais do clube. 

"Corinthians, Vasco e Atlético-MG têm dado um bom retorno, as torcidas estão ficando engajadas no projeto, querem ajudar o clube de alguma forma. O Vasco hoje tem 180 mil sócios-torcedores, passou o Flamengo. Agora fizemos um desafio que a cada conta que o torcedor vascaíno abrir, o clube vai ganhar um valor em dinheiro. É o projeto do CT do Vasco. Se a torcida engajar de fato como engajou na campanha do sócio-torcedor, tem grande chance de a gente patrocinar a construção do CT também", disse Alaor.

Em agosto, o diretor de marketing do clube, Caio Campos, revelou ao Estado que o Corinthians pretendia perdoar a dívida de 111 mil sócios inadimplentes do programa, desde que eles abrissem uma conta no banco que patrocina a camisa da equipe. A assessoria de imprensa do clube informou que esse projeto ainda está em fase de estudo. Portanto, não contribuiu para os 100 mil correntistas. Daí a probabilidade das partes de obter mais angajamento no banco.

Para Alaor, a intenção é utilizar o Vasco como modelo a ser seguido. "O Corinthians foi o primeiro (projeto de criar conta para ajudar o clube). A experiência foi boa, mas estamos com plano de divulgação, gostamos da ideia do Vasco, desse engajamento", disse. Novas campanhas serão divulgadas em 2020. O BMG também tem parceria com o Atlético-MG, agora único clube de Minas Gerais a atuar na Série A do Nacional - o Cruzeiro foi rebaixado e o América não conseguiu subir.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCorinthiansBMGAndrés Sanchez

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.