Paul Ellis / AFP
Paul Ellis / AFP

Técnico da França se emociona com festa em Paris após vaga na final da Copa

Didier Deschamps diz que grupo é privilegiado por ter chegado à final, mas ainda não ganhou nada

Ciro Campos, enviado especial/São Petersburgo, O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2018 | 11h34

Os jogadores e a comissão técnica da França ficaram emocionados na noite de terça-feira na Rússia ao verem as imagens em Paris da comemoração pela vaga da equipe na final da Copa do Mundo. A festa na capital francesa pela vitória por 1 a 0 sobre a Bélgica, em São Petersburgo, pela semifinal, deixou o técnico Didier Deschamps emocionado e até um tanto incrédulo com o tamanho da mobilização.

+ Imprensa francesa celebra vaga na final da Copa: 'O sonho em azul continua'

+ Pogba dedica vitória sobre a Bélgica às crianças resgatadas na Tailândia

+ Umtiti repete trajetória de Thuram com gol em semifinal de Copa

"Logo depois do jogo eu vi fotos de Paris em festa. Isso me traz à cabeça grandes memórias, principalmente de quando joguei a Copa", afirmou o treinador em referência ao Mundial de 1998, ano em que como capitão liderou a França ao título em casa e participou das comemorações posteriores, com visitas ao então presidente do país, Jacques Chirac, e desfile em carro aberto.

A França viverá um fim de semana de muita agitação nas ruas. Além de a final da Copa estar marcada para domingo, no sábado o país comemora a maior data patriótica nacional. O 14 de julho marca a Revolução Francesa, dia de desfiles, comemorações e bastante movimentação em Paris. O presidente da nação, Emmanuel Macron, inclusive esteve na Rússia para acompanhar a semifinal e vibrou bastante.

"O esporte tem a capacidade de dar alegria para as pessoas. Lembro que em 2016, mesmo quando perdemos a final da Eurocopa (para Portugal), as pessoas nos apoiaram. Somos privilegiados por estarmos em uma final de Copa, mas ainda não ganhamos nada", disse Deschamps, ao recusar o rótulo de favorito ao título. A equipe construiu na Copa uma campanha de cinco vitórias e um empate.

 

O treinador aproveitou a ocasião de euforia nacional para lembrar que a decepção da derrota por 1 a 0, em Paris, na decisão da Eurocopa do ano retrasado, ainda não foi esquecida. "O resultado ainda não foi digerido. Vamos ver como será a final e buscar mais um título", comentou.

O rival da França na decisão será definido nesta quarta-feira no confronto entre Croácia e Inglaterra, que começa às 15 horas (de Brasília), em Moscou, palco também da grande final do próximo domingo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.