Gaspar Nóbrega/COB
Gaspar Nóbrega/COB

Jogos da madrugada na Olimpíada 2020: No último dia, vôlei feminino e Bia Ferreira ficam com a prata

Confira os principais destaques da derradeira madrugada olímpica em Tóquio

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de agosto de 2021 | 05h48

Após 20 dias de competições, a Olimpíada de Tóquio chegou ao fim nesta madrugada, dia 8. Em polvorosa pela conquista do ouro no futebol masculino, o que fez o País confirmar seu melhor resultado em Jogos Olímpicos, a torcida brasileira esperava comemorar pelo menos mais duas vezes o lugar mais alto do pódio na capital japonesa, o que não se confirmou com as derrotas da seleção feminina de vôlei e da boxeadora Bia Ferreira

Apesar de não estar entre os favoritos, a boa campanha do Brasil em Tóquio trouxe esperança pela conquista da medalha de ouro no vôlei feminino. Entretanto, a equipe brasileira não esteve no mesmo nível dos EUA, que foi amplamente superior na decisão e venceu a partida por 3 sets a 0 (parciais 25/21, 25/20 e 25/14).

Foi a primeira prata das mulheres brasileiras na modalidade, a quinta medalha em Jogos Olímpicos. Antes, elas haviam conquistado dois bronzes, em Atlanta-1996 e Sydney-2000, e dois ouros, em Pequim-2008 e Londres-2012. Já as americanas alcançaram seu primeiro título olímpico com a vitória sobre o Brasil. 

Na disputa pelo bronze, a Sérvia voltou a fazer uma boa exibição e venceu a Coreia do Sul por 3 sets a 0, com parciais de 25/18, 25/15 e 25/15. Campeão olímpico na Rio-2016, o time sérvio era um dos principais candidatos ao título, mas levou um baile dos EUA na semifinal, perdendo por 3 a 0, e dando adeus ao ouro. 

Boxe

A épica medalha de ouro de Hebert Conceição no sábado dia 7 aumentou as expectativas também para a luta de Beatriz Ferreira, que fez boa campanha em Tóquio e tinha pela frente Kellie Harrington, da Irlanda, na final da categoria dos pesos leves (até 60 kg). A brasileira começou bem a disputa, conseguindo encaixar bons golpes e vencendo o primeiro assalto.

No segundo round, a adversária melhorou seu desempenho, complicando a luta para Bia, e saindo vitoriosa. No fim, a irlandesa levou a melhor após decisão unânime dos cinco jurados, com parciais de 29 a 28 para três deles, e 30 a 27 para dois. Foi a oitava medalha do Brasil na modalidade em Olimpíadas. 

Por sua vez, Cuba voltou a mostrar sua tradição no boxe e encerrou a trajetória em Tóquio com a quarta medalha de ouro na modalidade. Na final dos pesos leves (até 63kg), a joia Andy Cruz, grande favorito, não deu chances para o americano Keyshawn Davis e garantiu o título olímpico por 4 a 1

Basquete

Após o Dream Team levar o ouro para casa neste sábado, a seleção feminina de basquete dos EUA repetiu a dose e também se sagrou campeã olímpica. As americanas derrotaram o Japão com autoridade por 90 a 75, encerrando a campanha em Tóquio de forma invicta e alcançando a sétima medalha de ouro consecutiva em Jogos. Mais cedo, na disputa pelo bronze, a França venceu a  Sérvia com tranquilidade, por 91 a 76, completando o pódio. 

Handebol

Na reedição da final da Rio-2016, a França venceu a equipe do Comitê Olímpico Russo (ROC) por 30 a 25, conquistando a medalha de ouro no handebol feminino. De quebra, as francesas devolveram o vice-campeonato da última edição dos Jogos, quando as russas saíram campeãs. 

Já na disputa pelo bronze, a Noruega derrotou a Suécia por 36 a 19 e terminou na terceira colocação. Foi o quarto pódio olímpico seguido no das norueguesas, após o ouro em Pequim-2008 e Londres-2012 e o bronze no Rio. 

Polo aquático

Na última final da Olimpíada de Tóquio, a Sérvia superou a Grécia por 13 a 10 e ganhou a medalha de ouro no polo aquático masculino. Agora, só em 2024. Nos vemos em Paris! 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.